Música, educação e afins

Música é um fenômeno social, que pode nos aproximar de determinadas pessoas e nos afastar de outras. Isto porque usamos música para compartilhar sensações e emoções, para transmitir valores e ideais com os quais nos identificamos. Deste modo, nem sempre é gratuito gostar (ou não) de determinada música, estilo, ou gênero musical; nosso gosto musical por muitas vezes tem origem, direta ou indiretamente, consciente ou inconscientemente, nas relações sociais que estabelecemos (ou que os outros estabelecem conosco).

Batalha de labirintos na lousa interativa



A atividade do Labirinto Musical consiste em descobrir e traçar o caminho de uma extremidade à outra, através dos nomes das notas musicais, em ordem crescente ou decrescente de graus conjuntos. Trata-se de exercitar o automatismo dos nomes das notas musicais e de suas posições, uma em relação à outra. Elaborei-a há pouco mais de um ano (em meados de 2014), já com diversos níveis e acrescentei a cada Labirinto uma figura para colorir, tal como nos exemplos que se seguem:


A ideia de associar as figuras foi uma solução simples para alguns problemas bastante previsíveis, como a necessidade de despertar mais o interesse dos alunos na atividade e consequentemente no comprometimento destes em caprichá-la, deixá-la bonita. Além disso, auxilia bastante o professorem administrar melhor o tempo que diferentes alunos levam para realizar o labirinto (em outras palavras, serve de distração para os alunos que forem terminando o labirinto e não ficarem atoa enquanto outros não terminam).

No entanto, com o passar do tempo, reparei que enquanto alguns alunos apresentavam maior expectativa com o desenho a ser colorido, outros entusiasmavam-se tanto com o labirinto em si, que dispensavam o desenho ou coloriam-no de qualquer jeito, terminando a tarefa em até menos de 5 minutos para que eu logo lhes desse outra. Mas como esta é uma atividade que venho realizando em turmas do 1º ao 5 º ano do ensino fundamental, o volume de impressões que eu preciso ter à mão começou a tornar-se um inconveniente.

Buscando solucionar este problema, deparei-me na internet com esta ideia de colocar as folhas dentro de um plástico protetor para pastas catálogo onde os alunos poderiam realizá-las diversas vezes com pincéis atômicos (figura a baixo). Funciona bem para turmas pequenas, mas a economia com as folhas seria bem menor que o gasto com os pincéis (mesmo os recarregáveis) que seriam usados em várias turmas com 20 a 30 alunos cada.


Esta semana experimentei realizar o Labirinto Musical na lousa interativa. O retorno foi bastante positivo por parte dos alunos. Enquanto um ou dois de cada vez realizavam a atividade no quadro o restante da turma traçava o caminho visualmente corrigindo ou antecipando o traçado dos participantes. O clima de disputa para ver quem realizava o labirinto primeiro apimentou bastante a atividade e criou expectativa, transformando alunos alheios e desatentos em expectadores, que logo transformaram-se em torcedores.


Para realizar a Batalha, abra duas janelas independentes (uma com o arquivo original e outra com uma cópia). Com os participantes inicialmente virados de costas para a lousa, você pode selecionar os labirintos às vistas de todos, o que gera bastante a ansiedade e a expectativa dos participantes a partir das reações da "torcida" com comentários do tipo "Nossa! Agora é nível 4! Vai ser mais difícil!" Depois é só dar a largada e se divertir com seus alunos...



Caso você (professor) não tenha acesso à uma lousa interativa apenas baixe o arquivo PDF a seguir e projete-o no quadro branco.

Nenhum comentário:

Postar um comentário