Música, educação e afins

Música é um fenômeno social, que pode nos aproximar de determinadas pessoas e nos afastar de outras. Isto porque usamos música para compartilhar sensações e emoções, para transmitir valores e ideais com os quais nos identificamos. Deste modo, nem sempre é gratuito gostar (ou não) de determinada música, estilo, ou gênero musical; nosso gosto musical por muitas vezes tem origem, direta ou indiretamente, consciente ou inconscientemente, nas relações sociais que estabelecemos (ou que os outros estabelecem conosco).

Orquestra de garrafadas

Há alguns anos, um grande amigo e parceiro musical chamado Reginaldo Costa me apresentou um trabalho com canos de PVC que utilizava com seus alunos de música no Projeto Cariúnas. A idéia de usar canos de PVC na música não era nova, mas a forma com que ele as utilizava em sala, com seus alunos, foi o que me despertou interesse em fazer algo parecido com minhas turmas. Resumidamente, percebi que daquela forma era possível trabalhar habilidades sociais e emocionais importantíssimas e cada vez mais raras nas gerações de crianças de hoje.

Sendo cada aluno responsável por apenas 1 ou 2 canos, a execução de uma melodia só é possível quando os alunos dispõem de total atenção, paciência para esperar a(s) sua(s) vez(es), além de bom reflexo e prontidão para executar a(s) nota(s) sob sua responsabilidade no(s) momento(s) exato(s). Para tanto os alunos forçosamente (e naturalmente) desenvolvem também uma compreensão mais abrangente, mais holística, das músicas que executam. Mas ao mesmo tempo, vivenciam de maneira lúdica o valor de uma única "peça" em um quebra-cabeças,  uma única nota em arranjo musical, um único músico em uma orquestra, ou um indivíduo na comunidade.

Por exemplo, nas ilhas de Java e Bali, na Indonésia, existe o Gamelão, uma espécie de orquestra de música típica, cujo instrumento principal (e homônimo) é constituído de uma série de peças de metal afinadas em diferentes alturas ("tons"). Cada músico do Gamelão é responsável por uma determinada quantidade (e qualidade) destas "gamelas" e executa sua parte de uma intrincada combinação em perfeita sincronia com os demais. No Gamelão, como em quaisquer outras modalidades de orquestra, a responsabilidade pela performance musical também é dividida entre os integrantes, mas aparentemente em um nível muito além do que nós deste lado do globo estamos acostumados.

Gamelão

Mais do que em outros contextos, a parte de um único músico de um Gamelão faz muito menos sentido sozinha, porque as linhas melódicas parecem transpassar as partes de cada músico, ou em outras palavras, parecem "passear" constantemente de um músico para outro da orquestra. Imagine uma música tocada em um piano, mas não por um pianista e sim por dez pianistas, cada qual responsável por no máximo meia duzia de teclas. No Gamelão o resultado musical só pode ser apreciado através da perfeita sintonia entre todos os músicos. Por toda essa complexidade, Carlos Sandroni³ define o virtuosismo do gamelão como um "virtuosismo da sociabilidade".

Vendo nesta espécie de divisão do trabalho musical uma oportunidade de trabalhar todas aquelas habilidades sociais, cognitivas e emocionais (atenção, paciência, reflexo, prontidão, humildade, responsabilidade, etc...), mas sem recurso para comprar o material e confeccionar os canos de PVC musicais e nem disposição para levá-los de uma escola pra outra de motocicleta (sabendo que quando lá chegassem seriam em pouco tempo destruídos pelos meus "delicados" aluninhos), pus-me a caçar outras alternativas pela internet. Deparei-me com os boomwhackes que em essência funcionam da mesma forma que os canos de PVC, porém são feitos de um material mais flexível, que aparentemente suportaria a "delicadeza" dos meus queridos alunos, não fosse pelo valor do investimento, muitíssimo acima da minha realidade em particular.


Boomwhackers
Pus-me então a vasculhar mais pela internet, focando agora em instrumentos musicais alternativos, junk percussion, e coisas afim, deparei-me então com a Marimba Pet, um instrumento musical constituído por uma combinação de idiofones¹ a pressão, ou barófonos²; em outras palavras, uma marimba cujas "teclas" são garrafas pet pressurizadas em diferentes tons.


Como explico mais adiante, a (re)pressurização de uma garrafa PET é possível devido à adaptação de um bico de câmara de ar em sua tampa. E, se bem adaptadas para este propósito, não é perigoso como talvez possa se pensar, pois estas garrafas são desenvolvidas justamente para acondicionar líquidos gaseificados, que serão transportados (e chacoalhados), e suportam portanto uma pressão considerável. Mas, ao invés de confeccionar várias marimbas pet, uma para cada aluno, o que sugiro aqui é usá-las como boomwhackers, ou canos de pvc (uma ou duas unidades para cada aluno), o que representa uma opção muito mais prática e viável à realidade do professor e muito mais afinada com os objetivos pedagógicos.

Diferentemente do cenário que geralmente encontramos em conservatórios e escolas especializadas de música, nas escolas de ensino regular o professor de musica lida com turmas grandes, muitas vezes com 30 ou mais alunos. E não é nenhuma novidade pra quem é professor escolar, não importando a área, que as crianças estão cada vez mais difíceis de lidar, mais ansiosas, menos pacientes, menos colaborativas e mais individualistas. Atenção, paciência, humildade, cooperatividade, são todos valores em extinção, fato que muitos colegas professores deverão confirmar ao ler isso. E quando se fala em educação musical (escolar) como uma forma de trabalhar estas habilidades sociais, cognitivas e emocionais, uma orquestra de garrafas PET pressurizadas ao estilo do Gamelão me parece a melhor alternativa, ainda mais por ser tão acessível, já que os instrumentos são inteiramente feitos com material descartado ("reciclável"). Além do mais, após testá-las em diversas turmas, com alunos "delicadíssimos", pude comprovar que elas são resistentes o bastante para o propósito. Se bem construídas, não perdem facilmente sua pressão (e por consequência sua afinação).

Garrafas pet são comumente descartadas em estabelecimentos como restaurantes ou lanchonetes. Você pode pedir ao dono de determinado(s) estabelecimento(s) ou às vezes diretamente a um funcionário que separe por gentileza as garrafas que forem descartadas, se possível com as tampas. Mas atenção ao seguinte: qualquer garrafa PET serve para a fabricação deste instrumento, no entanto, por experiência própria, verifiquei que alguns formatos e tamanhos propiciam um timbre mais claro e uma duração consideravelmente maior quando percutidas devidamente. Mas como cada região, cidade, estado ou país possui uma infinidade de formatos e tamanhos para a comercialização de bebidas, deixo a cada um que se interessar pelo trabalho que descubra por si os formatos e tamanhos que produzirão os melhores timbres.

Quanto aos bicos, podemos garimpá-los em câmaras de ar de moto ou bicicleta descartadas em borracharias. Os bicos devem ser rosqueados até a base (como na figura abaixo) e estar completos: com válvula e porca. Mas não dispense bicos incompletos (sem válvula ou porca) pois às vezes o que você não conseguir em uma borracharia, você pode achar sobrando noutra. A tampa é opcional, mas dependendo do público de alunos é indispensável, pois às vezes é difícil contê-los para não apertarem "sem querer querendo" a válvula deixando o ar e a afinação escaparem.


Com uma furadeira equipada com uma broca de madeira do tamanho exato do diâmetro do bico, faça um furo bem centralizado na tampa, atrevesse-o com o bico já devidamente aparado na base (em torno de 1,5cm de diâmetro) para caber dentro da tampa e prenda-o apertando bem sua porca. A própria borracha da câmara que sobra presa à base do bico, quando pressionada contra a superfície interna da tampa pela porca situada do outro lado, quase sempre é suficiente para garantir uma vedação bastante satisfatória. É importante também que você tenha um saca-válvula (o borracheiro dirá onde conseguir) para apertar ou trocar as válvulas dos bicos quando necessário.


Depois de prontas as garrafas podem ser afinadas com uma bomba manual, dessas que são vendidas em lojas de ciclismo. Podem ser afinadas com bastante precisão, com a ajuda de um afinador eletrônico. Quem for afiná-las perceberá que ao desacoplar o bico da bomba a válvula sempre deixa escapar um pouco de ar desafinando a garrafa. Por isso, calibre a garrafa com uma pressão maior do que a desejada e, com a ajuda de um objeto como um palito de fósforo por exemplo, pressione a válvula liberando pequenas quantidades de ar até chegar na afinação desejada.

Outra questão curiosa que você irá constatar é que pressão e temperatura são aspectos intimamente relacionados. Se a temperatura do ar no interior da garrafa subir ou cair, a pressão também irá subir ou cair e com isso a afinação será afetada. Da mesma forma, quando o ar escapa e a pressão diminui rapidamente o ar resfria e a afinação só estabilizará quando a temperatura no interior da garrafa se equilibrar com a temperatura do ambiente. Não sei porque, mas quando guardadas por um tempo a pressão das garrafas geralmente é alterada para mais, fazendo-se necessário a liberação de uma quantidade muitíssimo pequena para atingir a afinação exata.

Já munidos de garrafas devidamente afinadas e muita coragem e disposição o professor pode agora partir para a prática com seus alunos. As garrafas podem ser então encaradas como um material didático básico das aulas de música, pois com elas é possível trabalhar uma infinidade de conteúdos como intervalos, melodia, harmonia, divisão rítmica, textura, e etc. Uma dica importante: dependendo da faixa etária dos alunos, assim que receberem as garrafas terão um impulso incontrolável de batucá-las, o que é normal. Isso serve de alerta para o professor não esquecer de estabelecer e garantir o cumprimento dos combinados. Por isso também é mais vantagem ter uma garrafa para cada aluno, pois aquele(s) que não se comportar(em) perde(m) sua garrafa.


Atividades sugeridas:
(EM CONSTRUÇÃO...)



REFERÊNCIAS:
¹ IDIOFONE: tipo de instrumento cujo som é produzido pela vibração do próprio corpo do instrumento quando percutido (por exemplo: claves, cowbel, woodblock, agogô).
² BARÓFONO: etimológicamente, BARO- "pressão" + FONO = som, ou instrumento cujo som é produzido pela pressão atmosférica.
³ SANDRONI, Carlos. Uma roda de choro concentrada: Reflexões sobre o ensino de músicas populares nas escolas. IX Encontro da ABEM. Recife: UFPE, 2000.

Nenhum comentário:

Postar um comentário